The Corner Club

Onde se comenta a narrativa enquanto se beberrica chá. AVISO: Segue-se conteúdo sugerido a adultos.

O Zé Lê “O Filho de Odin”, de João Zuzarte Reis Piedade – Capítulo 1

Estou irritado, bons leitores, estou muito irritado.

Mais ou menos isto.

Mais ou menos isto.

Há algo que tem de ser dito sobre expectativas pré-formadas em qualquer obra de arte que se preze. É normalíssimo; muito do que se lê, vê, joga ou no geral experiencia vem, antes da experiência em si, com um certo fardo de expectativa, um cardápio de preconceitos que nos ajuda a seleccionar e a compartimentalizar a informação que se vai retendo, seja qual for a sua fonte. Há muito que ajuda à formação dessas expectativas; uma capa, um relance à obra, o marketing à volta da coisa, a opinião de amigos, profissionais ou até mesmo de gente de quem não se gosta lá muito.

Deixem que vos digo qual foi a minha impressão, quando vi O Filho de Odin pela primeira vez numa prateleira; tristeza. Sim, tristeza. O Zuzarte viu este livro escrito quando tinha dezasseis anos. Eu tinha dezasseis anos também nesse ano, eu nasci pouco mais de duas semanas depois dele. Eu era, e talvez continue a ser, um rapaz bastante tímido e reservado e, na minha timidez, dedicava imenso tempo a imaginar, a brincar com a minha plasticina mental e a inventar histórias e cenários passados mesmo em frente aos meus olhos, quando não tinha os meus amigos para me distrair ou livros e jogos de vídeo para me deixarem sonhar. Nunca me entretive demasiado com escrita, não era coisa que me atraía, apesar dos meus professores me terem dito que devia publicar o que escrevia. Para quê, se nunca partilhava o que congeminava, nem tal coisa me interessou? Mais depressa escrevia, e escrevi, poemas, a duas e quatro mãos, com o meu melhor amigo, do que contos ou livros, isto apesar de ter dito bem alto, numa aula de Educação Física, que iria escrever um livro muito em breve.

Acham que isso é mau? Três ou quatro anos antes, tinha dito, alto e em bom som, que queria ser teinador de Pokémons. Adivinhem quem foi alvo de chacota durante anos a fio! Eu e a minha excentricidade sempre andámos de mãos dadas, que o diga quem já me viu a dançar Tunak Tunak Tun.

Mas ao menos tinha juízo que chegue para saber que era um rapazola sem tino, tanto na altura como nos meus 18 anos (altura em que ele supostamente ganhou juízo mas continuou produzindo merda). Não só isso, como tive gente consciente a matar as minhas loucuras antes que dessem fruto, mesmo que ainda consiga olhar para trás e reconhecer que não era um completo desastre.

As do Zuzarte foram activamente encorajadas, por uma cambada de abutres que, muito provavelmente, riam-se à socapa dele e das suas alucinações.

Foi com esta conclusão que me pirei. Eu nunca pensei que alguma vez estaria tão furioso após ler o primeiríssimo capítulo de um livro, de um qualquer livro. Muito me disseram sobre o carácter repugnante de obras como Atlas Shrugged ou tudo o que R.A. Salvatore escreveu e cagou cá para fora, mas eu nunca quis crer, até ler este tipo, que haviam editoras disponíveis para a publicação destes desaires. Acham vocês que eu estou furioso com o Zuzarte, mas em boa verdade vos digo, meus filhos; a editora Gailivro merece ser estropiada por um gangue de ucranianos a empunhar marretas muito mais do que o coitado do Zuzarte. Nesta história, o coitado do rapaz nada mais é que uma vítima do seu orgulho, de pais doidos e de empresários bafientos a quererem lucrar com um Eragon português.

Porque é que, se isto digo, me dedico a arriscar a minha sanidade ao tentar ler este livro?

Porque há apenas dois tipos de obras que vale a pena analizar; as muito boas, e as muito más. Porque há algo a aprender nos erros que outro comete. Porque até é engraçado e fascinante ver o quanto uma história pode descarrilar por completo. Porque ele muito provavelmente podia ter sido eu, ou qualquer um de vocês, com o sonho de ver uma obra publicada, com esse mesmo sonho a servir de carvão para ser queimado sem a mínima pinga de misericórdia na máquina editorial.

Eu não conheço o autor pessoalmente. Não sei dizer como ele é, em público ou em privado. Contudo, pelo que vi, sou forçado a concluir que ele nada mais é que o produto da sua irreflectida juventude e da fome de dinheiro fácil de uma editora. Mais do que fúria, o que Zuzarte merece é pena.

– “Mas Zé, vais achincalhá-lo até mais não na mesma, não vais?”

Ui, se vou.

Dissequemos este cadáver!

Vide como se disseca, minhas bestas, vide!

Vide como se disseca, minhas bestas, vide!

O ENCONTRO

“Estamos no séxulo XIX, em 1862, em plena floresta. Nas imediações de uma enorme clareira, está a realizar-se uma espécie de celebração satânica. Como resultado das preces dos discípulos do Caos, ergue-se um atigo e negro castelo romeno para fazer regressar o Senhor das Trevas. Os acólitos e uma espécie de padre demoníaco entram no castelo, levando uma carroça puxada por bestas horrendas.”

É o Diz Que É Uma Espécie De Senhor Das Trevas. A Terra-Média tem Melkor e Sauron. Alagaësia tem Galbatorix (não me perguntem como é que eu sei). Hogwarts tem Voldemort. A Roménia tem …

“[…] na torre mais alta decorre um ritual para a encarnação do Mal – Drácula de seu nome.”

Sim, damas e cavalheiros, Drácula.

Ora então, põem-se lá os acólitos e as banshees  (aqui, curiosamente chamadas de homo fata maeora[sic], porque não cagar no Latim enquanto cagamos na mitologia celta) a efectuar a negra macumba para que Drácula volte da sua ida a sabe-se lá onde. Dos mortos? Drácula morreu? Era ele vampiro quando morreu? Ele foi algures? Hein? O quê? Olha, passarinhos!

Eis então que um necromante surge, “trajado com uma bata vermelha, duas facas de sacrifício, um capacete em forma de crânio de dragão um ceptro em que a ponta termina numa vela negra envolvida por uma serpente e asas de morcego” – roupas que me lembram alguém – usa o supostamente lendário Livro dos Mortos (cala a boca, Zé, que se o Zuzarte diz que é lendário é porque é!) para acordar, com o Like a Virgin, da Madonna, como música de ambiente interpretada pelas banshees, Drácula. Que diz ele, mal sai do caixão?

– Esperei por este momento para voltar a nascer, banhar-me com a escuridão e sentir o luar no interior! – revela, enfático, o homem.

É compreensível. Logo depois de acordar, também eu me ponho a perguntar como será sentir o luar no meu interior, peganhento e húmido, acabadinho de esguichar pelo meu ânus acima. Depois de uma soneca de séculos, o tesão deve ser —
Ah espera. Isto não é prosa homoerótica?
Ups.

Ora então, pergunta Conde Drácula a Grande Figura (sim, ele escreveu isto), toda aperaltada em fatiota janota, quem é a serigaita mal vestida que lhe ressuscitou.

– Sou Kalthazad, necromante da 1ª Ordem de Loki e Set, encarregado de o ressuscitar.

Esperem lá. Roupas familiares, nome estranhamente familiar …

Não vos parece familiar?

Não vos parece familiar?

Sim, Kel’Thuzad, uma das personagens secundárias de Warcraft III – Reign of Chaos, necromante, mau da fita e congeminador, e uma das mais importantes personagens em toda a história do jogo,  jogo esse que Zuzarte lista naquela que é A Lista De Plágios Que Passa Por Agradecimentos, mesmo antes do início deste livro. A personagem é óbvia e desavergonhadamente furtada. Ele nem se deu ao trabalho de se esforçar por esconder o facto de ser plágio.

Ah, mas ainda mal começámos! Finda esta conversa, eis que entra em cena, de rompante, um paladino louro, envergando armadura azul e empunhando um martelo. É Vhan, o paladino de Hélio. E se acharem que me parti a rir quando associei estas palavras (Hélio! Brilhante!), não achei tanta graça quando me apercebi o que estava a acontecer.

Mais plágio.

E dizem que o relâmpago nunca cai duas vezes no mesmo sítio. Neste caso, nem demorou cinco linhas de texto.

Este é o príncipe Arthas Menethil, o trágico herói de Warcraft III – Reign of Chaos, aqui transplantado com o nome de Vhan. Em Warcraft III, Arthas é sujeito às pressões do seu mister como protector do reino e a manipulações de variada ordem, acabando por colocá-lo numa espiral decrescente de loucura e sede de poder que o leva a descarrilar por completo. É uma das personagens mais trágicas que já vi num videojogo, um pobre coitado que comete erro atrás de erro e escorrega em patranha atrás de patranha, até que, levado à loucura completa por uma espada amaldiçoada, regressa a casa para, de uma estocada da sua espada, matar o pai enquanto o mesmo o saudava com alegria. É uma história bastante humana de erros e mentiras, e quanto podem levar a melhor das pessoas a cometer actos impensáveis.

Mas tais temas escaparam em absoluto a mente de Zuzarte. Em vez, Drácula acerta-lhe com um raio, e logo no sítio Vhan transforma-se no “paladino da Chacina”, o fiel carrasco de Drácula.

Sim, assim. Com um estalar de dedos. E se acham que é tresloucado eu dizer que é segundo plágio, eis o que se tornou Arthas, no fim da sua jornada:

“[…]e, em segundos, um feixe de luz saído dos seus dedos atinge Vhan, transformando-o num cavaleiro com uma armadura negra. O seu aspecto jovem desaparece, o cabelo louro é, agora, um manto branco, e o martelo transforma-se numa espada com uma lâmina feita de gelo inquebrável.” – João Zuzarte Reis Piedade, O Filho de Odin

Meritíssimo, dou como provado o crime.

É então que Drácula, na plenitude da sua sabedoria governativa, ordena que todos os seus súbditos sejam assassinados e que toda a produção económica, cultural e social da Roménia e do resto dos territórios balcânicos seja dedicada apenas a um multinacional esforço para replicar o Thriller. E nós nos queixamos do Passos Coelho.

Enquanto a chacina se passa e Drácula e Companhia riem-se daquela forma caricaturalmente maldosa dos desenhos animados, eis que a acção passa para Lisboa. Supostamente, nos arredores do castelo, vive uma família de apátridas ingleses, no topo de uma colina. O nosso protagonista é então revelado; Jonathan Strongheart (doravante chamado de Jonatã, em honra do sacrfício destes soldados), um rapaz de 15 anos, atlético e de cabelo frisado prateado, “não muito comum”, leitor de Dickens e herético detestador de chá. Os seus pais são Uther Strongheart, paladino do rei de Portugal e herói internacional recentemente transferido do Manchester United, e Adriana Seterwind … é gaja. Não interessa dar-lhe fama ou emprego, para quê? Isto é 1832, porra!

Falando de 1832 … esta é a cidade pombalina. Lisboa é uma metrópole em crescimento. Não há colina das Sete Colinas que não esteja coberta de edifícios. Mas Zuzarte quer que haja uma colina só para si e para a sua família, que se foda a consistência. O privilégio que arrota daqui é tanto que até me engasga. Jonatã é-nos apresentado como um rapaz letrado, lendo Dickens enquanto beberrica chá. É atlético e, sabemos nós, bem parecido. É absurdamente rico. É descendente directo de Sigurd, o herói da saga Volsunga, que encontra-se sepultado no cemitério da família vá-se lá saber porquê. E eu sei, porque estive a ler um pouco mais à frente, que Jonatã esconde mais surpresas ainda. Eu concedo que podemos ter uma personagem extremamente privilegiada – gente dessa existe, sacanas – mas quem consegue relacionar-se com uma escultura viva que caga dinheiro e não tem problemas nenhuns da vida além de achar que o prof de Matemática cheira a cavalo? Isto não é um protagonista, é uma projecção dos desejos e fantasias do autor. É um Mary Sue. E isto só com umas breves frases! Eu ainda só vou nas primeirinhas páginas!

Seja como for, o dia de Jonatã passa sem nada de nota. Somos apresentados ao protagonista sem demonstração da sua personalidade ou acção, sem que o narrador nos diga uma achega que seja, apenas que Jonathan lê Dickens e detesta chá. E depois o dia passa, toda a gente vai para a caminha, e nada acontece, enquanto o papá herói internacional toma o cházinho e lê o Times. Assim, á bruta. Está a família a tomar chá num momento, e no outro, bumba, caminha.

Ok … continuando a estória, Jonatã sonha de noite com uma figura que, sabe imediatamente, é divina, chamando por alguém de nome Vidar. Compreensívelmente (Milagre! Algo que faz sentido!), o rapaz está assustado e confuso, e vai ter com o pai, que se encontra sentado à beira da sua cama, de olhar cabisbaixo. Eis como a conversa se passa, mais ou menos;

– Ei, pai, tive um sonho bué da esquisito. Um tipo cego de um olho ‘tava a chamar-me de Vidar, e …
– Eu sei, filho. O mesmo tipo disse-me agorinha mesmo num sonho que tu és o escolhido e que tens de ir embora.
– Mas … mas … pai! Que raio?! Escolhido? Ir embora? Tás a expulsar-me de casa?!
– Cala o bico senão levas um estalo! Não te digo nada que não vais perceber! Amanhã, vais apanhar um comboio pró cu de Judas, onde nunca estiveste na vida, e vais sozinho, foda-se!
– Sozinho?! Mas pai …
– VAI ARRUMAR AS PUTAS DAS MALAS E PÕE-TE NO CARALHO, FODA-SE, QUERO DORMIR!


Mas que raio de pai é Uther Strongheart para mandar o filho assim, sem mais dizer, pró meio de nenhures? Que raio de mãe é a Seterwind ou o raio que a parta, para não pedir o divórcio a esse maníaco e arrancar-lhe a custódia do pirralho? Que porra de família e funcionários são estes, para não darem sequer uma mãozinha ao triste do rapaz? Eu sei, eu sei, é 1832, não é exactamente o pilar dos direitos civis, mas foda-se!, o pai dele é um sacana!

Estão a ver?! Estão a ver o que isto me está a fazer? Estou a escrever em caps lock! Estou a praguejar à louca! Eu ainda agora começei! Deus me ajude, eu ainda agora começei!

Jonathan apanha o combóio pró cu de Judas e, tal como qualquer rapaz de 15 anos sem qualquer adulto a lhe dizer o que fazer, decide explorar grutas. Porque não? Decide entrar numa gruta perto da estação onde sai para encontrar estátuas nórdicas. Jonatã questiona-se sobre o que raio estão estátuas de deuses vikings a fazer no cú de Judas – às tantas, existem no recto de Judas, sei lá, porque o narrador não nos digna com uma resposta – e, ao tocar na estátua do vesgo que lhe acordou no dia anterior, é magicamente transportado para Valhalla, o palácio dos deuses nórdicos, porque foda-se, magia.

Lá, encontra Odin, pai dos deuses, dando boas vindas ao seu filho Vidar. Compreensívelmente, Jonatã está confuso com a coisa toda. Odin, desiludido, decide acertar-lhe com um raio de luz.

E é aí que Jonatã transforma-se num elfo super-guerreiro, com capuz de carrasco enfiado na cabeça.

Não posso. Não posso.

Odin ordena, então, que haja um banquete. Comparecem lá todos os deuses Nórdicos que o Zuzarte se lembrou de introduzir (lembro-vos, ele estuda História e Literatura!), e enquanto decorre, Odin vem-se com esta;

– Meus caros amigos, filhos, filhas e deuses, estamos aqui para festejar o regresso de Vidar, que esteve ausente durante muitos anos – seguiu-se uma grande salva de palmas.-Depois do Ragnarok, ele tomará o meu lugar em Gimli, o novo Valhalla – e os deuses voltaram a aplaudir.

O QUÊ?!

Eu tentei ser simpático. EU TENTEI. Mas isto? ISTO?! Isto eu não posso tolerar.

Não não não não não não.

Eu podia falar de muito mais. Muito, muito mais. Podia falar da infantilização do panteão nórdico e a bastardização dos outros panteões europeus. Podia falar dos nomes em latim dos elfos, mais desastrosos que o das banshees. Podia falar da máquina de slides divina, sim uma máquina de slides em Valhalla, ai foda-se a minha tensão. Podia falar do grifo. Mas não. Não aguento mais.

Gimli.


Esqueçam tudo o que disse. Ide bugiar, Zuzarte. Ide bugiar para as três côrtes do inferno.

— José Pedro Castro

Anúncios

13 comments on “O Zé Lê “O Filho de Odin”, de João Zuzarte Reis Piedade – Capítulo 1

  1. Ana Ferreira
    Fevereiro 28, 2013

    Ai lá se vai a minha gastrite! Estou a rebolar de tanto rir, as memórias!! Ai as memórias!

    • José Pedro Castro
      Fevereiro 28, 2013

      Que permanecem demasiado frescas na minha cabeça.

      ALGUÉM AS TIRE!

      • Claudia Silva
        Fevereiro 28, 2013

        CALMA! Isto não é para acabar AQUI! Como vitima deste livro também (Obrigada, ó Ana Ferreira), eu mordo alguém se não me vejo vingada e vejo este livro dissecado.

        Se for preciso, ajudo à missa em estilo Tag Team. MAS A REVIEW TEM QUE CONTINUAR!

  2. Pedro
    Fevereiro 28, 2013

    Nunca me ri tanto a ler um post. Please, tens de continuar com isto (apesar de o facto de estares a ler este “livro” te esteja a destruir por dentro) mas por favor continua.

  3. desupuddi
    Fevereiro 28, 2013

    Ri-me bastante. Mas afinal vais acabar de ler ou não?

    • José Pedro Castro
      Fevereiro 28, 2013

      Sim. A ideia é ler até chegar ao último capítulo.

      Diz uma reza por mim.

      • João Silvaoão Silva
        Fevereiro 28, 2013

        Coragem, tu consegues|

      • Morgaine
        Março 2, 2013

        Há duas opções, rir de tanta estupidez ou chorar de tanta parvoeira. Eu acabei por descobrir que este livro é terapêutico. Sempre que estou em baixo, pego nele e rio-me tanto, mas tanto que é impossível não ficar mais bem disposta:D

  4. Verinha Imaginarium
    Fevereiro 28, 2013

    Lol 🙂 força

  5. Morgaine
    Março 2, 2013

    Fantástico:D:D:D

  6. Marco
    Março 5, 2013

    Ui onde te foste meter XD

    “- Jonathan, meu filho.
    – Filho? Eu sou filho de Deus? Então Jesus é meu irmão?
    – É uma forma de expressão, caraças, eu sou Deus, pá, e sou obrigado a falar assim, julgas que eu gosto de falar desta maneira?”

    Palavras do mestre.

  7. Diana Sofia Pimentel
    Abril 3, 2013

    Não sei se deva rir, ou chorar.
    Agora tens de acabar de ler o livro (tentando, pelo caminho, evitar uma úlcera)!
    Tens todo o nosso apoio!

  8. João Ricardo
    Maio 22, 2016

    Acho que o Zuzarte devia pagar-me as contas da quimioterapia. Apanhei cancro em todo o lado.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: